Fotografia Nocturna

No que diz respeito a esta arte, a verdade mais absoluta é que sem luz não há fotografia e, consequentemente, fotografar em condições de luz insuficiente torna-se um desafio.
Sem algumas noções sobre fotografia com pouca luz, tirar uma foto nítida e com a exposição correcta pode revelar-se uma verdadeira dor de cabeça.

O problema surge quando não conseguimos escolher uma velocidade do obturador suficientemente rápida para a foto não ficar tremida. Uma forma simples de saber qual a velocidade mínima que podemos usar é seguir a seguinte regra: V.Min. = 1/Dist. Focal
Ou seja, se tivermos uma distância focal de 50mm, a velocidade mínima segura para a foto não ficar tremida é 1/50s (partindo do princípio que o objecto a fotografar está imóvel).

Quando este limite é atingido e não podemos aumentar mais o ISO sem estragar a foto com o ruído, temos de tomar decisões.
As situações que podemos encontrar são variadíssimas e não existe uma fórmula mágica que resolva todos os problemas. Precisamos de nos fazer as seguintes perguntas:

  • Posso usar flash?
    • Em alguns locais não é permitido o seu uso.
    • Os flashes têm um alcance limitado. Assim sendo, não os podemos utilizar se quisermos fotografar algo que não esteja perto.
  • Quero usar flash?
    • A luz artificial produzida pelo flash é geralmente muito dura dando, por vezes, um aspecto pouco natural às fotos.
  • Vou fotografar sem flash e preciso de tempos de exposição longos para captar luz suficiente. Como faço para a foto não ficar tremida?
    • Se tiver o tripé à mão e puder usá-lo, está resolvido!
    • Senão... vou ter de apoiar a câmara em algo.

Apenas após analisar todas as condicionantes podemos tomar as decisões que nos irão permitir obter a foto que idealizamos.

Velocidade: 15 seg | Abertura: f/8 | ISO: 100


Esta foto foi tirada a partir de um quarto de hotel em Toronto. Devido à distância a que estava dos prédios, usar flash estava completamente fora de questão - tinha de recorrer a uma longa exposição.

Na altura não tinha o tripé comigo e, para garantir que a câmara estava imóvel enquanto o obturador estava aberto, tive de improvisar colocando-a em cima de uma caixa no parapeito da janela.

Regulei o valor da sensibilidade ISO para 100 para evitar ruído na imagem.

Para aumentar a profundidade de campo de forma a permitir que todos os prédios ficassem focados, precisava de usar uma abertura pequena. Escolhi o modo de prioridade à abertura e inseri um valor de abertura de f/8.
Neste modo, após premir o botão do obturador até meio, a câmara automaticamente calculou uma velocidade de 15 segundos para obter a exposição correcta.

Estava tudo preparado e só faltava carregar no botão. No entanto, este último e aparentemente simples passo pode ter uma implicação muito grande na nitidez da fotografia. Mesmo usando um tripé, por mais cuidadosos que sejamos, ao carregarmos no botão do obturador vamos criar algum tipo de vibração.
Para resolver este problema usei o temporizador de disparo automático da câmara regulado para 10 segundos (outra solução seria recorrer a um disparador remoto que é um comando que permite disparar à distância).

Et... voilà! Uma recordação de Toronto à noite que dificilmente teria se apenas usasse o modo automático da câmara. O mais provável teria sido o flash saltar e ficar com uma linda foto do reflexo da luz no vidro da janela :)


Experimentar e aperfeiçoar

Aconselho-te vivamente a fazer experiências em casa, sem qualquer tipo de pressão. Desta forma, podes aperfeiçoar a tua técnica e os conhecimentos para depois os aplicares quando for necessário.

A foto em baixo foi tirada quando comprei o tripé e explorava as longas exposições a partir da varanda. Até aqui, não acreditava em fantasmas :)

Velocidade: 10 seg | Abertura: f/8 | ISO: 100



Conclusão

A fotografia nocturna pode trazer resultados muito interessantes. Apenas devemos ter em conta que vamos precisar de tempos de exposição mais prolongados para conseguir captar luz suficiente. Para tal, temos de recorrer a um tripé ou a um apoio para que as fotos não fiquem tremidas.
O importante é usar a criatividade e brincar com as luzes. Experimenta incluir luzes em movimento, como as de carros a passar.

Boas fotos e não te esqueças de partilhar!

© Mário Pereira - 2012
Proibida a cópia integral ou parcial dos textos


15 comments:

Paulo disse...

Em primeiro lugar parabéns pela iniciativa deste blog. Descobri-o hoje.
Sou um fotógrafo amador (muito muito amador) e tenho uma dúvida para te colocar (não é bem fotografia nocturna, mas é parecido): como fotografar em concertos?
Eu deparo-me com vários problemas (a começar pela segurança que obviamente não deixa entrar reflex's no concerto).
Obrigado
Paulo Eduardo Campos

Mário Pereira disse...

Olá Paulo!
No que diz respeito às restrições em relação às câmaras, penso que o melhor será contactar a organização e tentar arranjar permissão para fotografar.

Com uma compacta também é possível fotografar concertos mas, devido à falta de luz, vais ter a vida muito mais complicada pelas seguintes razões:

- As compactas não têm a mesma performance com ISO alto como as dSRL. As fotos vão ficar com mais ruido.

- Normalmente as lentes das compactas não são as mais rápidas. Como não permitem grandes aberturas vais ter mais dificuldades em captar luz suficiente. Com uma dSLR podes usar uma lente com grande abertura, como uma f/2.8 por exemplo.

- As compactas também têm mais dificuldade a focar com pouca luz.


Na minha opinião a melhor solução é usar uma dSLR que apresente pouco ruído em ISOs altos e uma tele-objectiva com IS e grande abertura (pelo menos f/2.8). Tens também de prestar especial atenção à velocidade do obturador para as fotos não ficarem tremidas (em princípio não vais usar flash).

Espero ter ajudado.
Abraço

Paulo disse...

Olá Mário,

Obrigado pela tua resposta. Ajudaste sim, mas agora vêm os meus problemas/dúvidas :)

- Essa permissão pode ser facultada a qualquer um? Pensava que fosse apenas a fotógrafos profissionais...
Realmente uso a compacta, e como tu dizes, ficam com mais ruído (e dependendo das cores das luzes dos holofotes, pode piorar ainda mais)

- E a velocidade? Qual deveria ser usada? Ou simplesmente dás prioridade à abertura de f/2.8?

- A minha dSLR é uma canon 1000D (objectiva 18-55 + 70-300, nenhuma delas com IS e o máximo de abertura é 4.5). Portanto, pelos vistos também não auguro nada de espectacular, certo?

Gostava de te enviar umas fotos para veres o que achas, se não te importares.

Abraço e uma vez mais parabéns por este blog

Paulo Eduardo Campos

Mário Pereira disse...

Claro que podes enviar as fotos! O meu e-mail é focaessafoca@gmail.com

- Em relação à permissão, não sei bem como funciona. Eu também sou amador e nunca tentei pedir. Não há nada como telefonar para lá e perguntar! Há que ser optimista :)

- A velocidade vai ser o maior problema. No modo de prioridade à abertura deves escolher a abertura máxima possível (menor valor) e um ISO alto. A câmara vai escolher a velocidade e aqui já não podes fazer muito mais. Ou é suficiente (regra: V.Min. = 1/Dist. Focal) ou as fotos ficam tremidas.
Em relação à abertura da lente, no comentário anterior exagerei um bocado. Disse "pelo menos f/2.8" mas queria ter dito f/4.

- A 18-55 é um bocado "curta" para concertos e a 70-300 sem IS, à primeira vista, deve ser difícil de usar com pouca luz. Não sou grande perito nisso porque a distância focal máxima que tenho é 100mm :)

Envia as fotos!

Abraço

Nuno Rodrigues disse...

Muitos parabéns por este blog! É um excelente partido para quem de inicia ou tem pequenas dúvidas! Visite o meu perfil, vai encontrar algumas fotos que abordam os temas de que fala!
Nuno Rodrigues

http://olhares.aeiou.pt/Skeleto

PauloL. disse...

Mais um texto que diz muito para quem ainda anda a aprender. Sabes e recomendas algum tripé que não seja demasiado grande nem demasiado caro? lol
Obrigado

Mário Pereira disse...

Olá Paulo!
O tripé que uso é um desses mais baratos (nem sei a marca) que encontras nas grandes superfícies. É leve, pequeno quando recolhido e chega perfeitamente para o uso que lhe dou. É claro que sempre que quero ajustar a posição da câmara tenho algumas dificuldades porque os manípulos não são muito precisos mas, assim que consigo e aperto tudo, ele fica firme.
Depende do uso que lhe fores dar. Se for estritamente amador e casual, acho que um destes chega.

Abraço

Núbia Onara disse...

Acabei de conhecer seu blog através de um comentário que você deixou lá na minha página no Olhares. Estou curtindo muito (irreverente esse nome)

Abraços

Bruna disse...

Adorei o blog, descobri-o através do site Olhares e acho que as dicas dadas neste blog ser-me-ão
bastante úteis ;D
Obrigada

Marco Figueiredo disse...

Parabéns pelo blog... tem informações muito úteis...
Continua a actualizar.

FabioTF disse...

Ola Mario!
Ja levo umas 2 semanas de volta do teu blog, mas tenho ido muitooooo devagar.... so hoje cheguei com atençao a esta secçao. Ja tinha percebido antes o "truque" para as nocturnas aumentando bastante a exposiçao, mas as fotos sempre me saiam com alguma vibraçao, mesmo quando apoio a camara. O uso do modo de disparo em 10' é perfeito.... nunca tinha relacionado essa ideia com a vibraçao que fazemos a clicar na camara... vou tentar!!! Excelente Blog.
Muito obrigado!

Patrícia M disse...

SEi que é apenas mais um comentário, mas não poderia deixar de o fazer! Só há 6 meses é que começei a fotografar em manual e a ter noções sérias sobre o que é fotografia! Também acredito que é a partilhar que se cresce e se obtem conhecimento! Nos dias de hoje tenho de te dar os parabéns, és especial concerteza! As tuas imagens, ... muito boas! Fiquei fã! Continua. Que consigas muito Boas imagens pela vida fora!!!

Mário Pereira disse...

Muito obrigado a todos pelos comentários!

Anjo Negro disse...

olá...
Descobri-te no olhares por teres me dado as boas vindas e decidi cá vir, ver o teu blog.
Depois como falo e escrevo decidi deixar um comentário... Como pode ver eu também sou muito básica a nível de fotografia mas gostei da informação que cá deixou :) sempre útil para quem sem máquina decente continua a sonhar e a fotografar nem que seja com o telemóvel. Não tenho condições, de momento para comprar uma maquina, mas continuo a ver se a arranjo, até lá trabalha o telemóvel com cores muito más, uma resolução mais ou menos e uma grande vontade, a minha! Parabéns continua pois já vi que aqui se aprende muito.
Liliana Emídio

layricatto disse...

adorei suas dicas

Enviar um comentário